terça-feira, 16 de junho de 2015

Práticas BDSM


Texto revisado e corrigido por mim, pois continha vários erros e equívocos sendo assim compartilhado por muitas pessoas.

A fonte original encontra-se no fim do texto, para futuras comparações.
A ordem está diferente por conta da ordem em que foi feita a correção.

O BDSM é um universo composto por diversos fetiches. Ninguém é obrigado a gostar de tudo, mas é obrigado a respeitar o gosto do outro. Talvez algumas práticas relatadas aqui não te agradem ou possam até ofender.

1. Bondage: Fetiche por amarrar o parceiro, restringir seus movimentos, imobilizar e restringir sentidos também esta nessa categoria. Pode ser por cordas, roupas, Vac-Beds, camisa de força, algemas, abraçadeiras, silver tape, filmes plásticos, etc; no caso da restrição de sentidos pode ser usado vendas, amordaças, capuzes, fitas, gag ball, etc… Pode ser usado para disciplinar o parceiro ou somente para o prazer de ambos . É necessário ter certo domínio no assunto.

2. Self-Bondage: Prática de bondage feito por si próprio, ’se amarrar’. Deve-se ter cuidado ao praticar self-bondage dependendo de como a pessoa está se imobilizando.

3. Water Bondage: Fetiche por bondage unido com agua, a prática pode ser leve desde esguichos de água, até mesma a imersão do bottom embaixo da agua.

4. Mumificação: Restrição por meio de mumificação por gaze, filme plástico, gesso, etc… Digamos que é uma subcategoria do Bondage e requer muitos cuidados também.

5. Privação de Sentidos: Ato onde se priva um ou mais sentidos do bottom, como amordaçar, vendar, etc… para aumentar a sensibilidade a outros sentidos.

6. Shibari: O que conhecemos hoje como BONDAGE e SHIBARI é uma evolução do HOJOJUTSU (também conhecido como Nawajutsu) é a arte marcial japonesa tradicional de restringir um oponente usando cabos ou cordas. Pensa-se que o Hojojutsu já foi uma das 18 habilidades de luta vitais ensinadas aos guerreiros japoneses. Em combate, não era incomum para um samurai levar uma corda para ataque ou defesa, ou ainda como ferramenta para restrição aos prisioneiros de guerra. Originalmente englobando diversos materiais, técnicas e métodos da escola de artes marciais, o Hojojutsu é uma arte de combate essencialmente japonesa, produto único desta rica cultura.. Feito, a corda é passada pelo corpo de forma estratégica que lhe dê prazer caso tente se libertar ou deixe certas partes do corpo mais sensíveis. O SHIBARI prima pela beleza, pela arte visual no resultado final, além dos nós serem feitos em regiões erógenas específicas, causando assim, estímulo e prazer. Muitos Mestres dominam o Shiatsu e utilizam os nós para pressionar os meridianos, obtendo um equilibro no fluxo de energia do corpo. A pessoa que recebe o Shibari se chama Dorei.
Mais informações em: http://www.arteshibaribrasil.com.br/historia/

7. Breathplay: Também conhecido por Asfixia Erótica, é a pratica de restrição de oxigênio no parceiro que o causa prazer. A restrição pode ser feita de diversas maneiras, como por sacos plásticos, máscaras de gás, mãos, etc… Deve-se ter extremo cuidado com esta prática. É muito perigoso e não deve ser feito por amadores, o menor deslize pode levar a morte.

8. Face-Sitting: uma das formas de asfixia, onde o Top senta no rosto do bottom.

9. Podolatria : Fetiche por pés. Geralmente os submissos (as) se submetem a adoração dos pés de seu dominador (a). Há diversos jogos que se podem fazer com os pés, basta criatividade.

10. Trampling: é a fetiche por ser pisado pelo dominador que pode também ser uma forma de asfixia.

11. Wax play: Brincadeiras com velas dão um clima mais misterioso à cena, e podem ser usados no jogo. A cera derretida pode ser usada para torturar o parceiro. Claro, cuidados devem ser tomados para evitar queimaduras sérias. Deve-se deixa-la numa distância segura para evitar queimaduras graves. Deve-se usar neste jogo velas de parafina com óleo mineral. Não devem ser usadas velas de cera de abelha, velas coloridas e perfumadas, devido aos elementos químicos alterarem a temperatura de derretimento. No caso de velas fabricadas exclusivamente para a prática com os corantes adequados não há nenhuma contraindicação.

12. Dominação: é o ato de dominar alguém (submisso) fisicamente ou psicologicamente e não é aquele que domina o submisso, pois esse é o DOMINADOR que tem o poder sobre ele seja em uma sessão ou em outros setores da vida do bottom.

13. Submissão: é o ato de se submeter a alguém (dominador) fisicamente ou psicologicamente e aquele que se submete ao poder do dominador é o SUBMISSO fazendo todas as suas vontades dentro do que foi acordado entre ambos.

14. Sadismo: é o ato de obter prazer causando dor, sofrimento e humilhando alguém de forma consensual, aquele que sente prazer em ver o outro sofrer é SÁDICO.

15. Masoquismo: é ato de obter prazer na dor, sofrimento e humilhação, aquele que sente prazer em sofrer por meio de dor e/ou humilhação é chamado de MASOQUISTA.

16. Spanking: Termo generalista para a prática de espancamento consensual, preferida entre as masoquistas que recebem o spanking e os sádicos que aplicam o spanking. Há vários níveis de intensidade, desde tapinhas até chicotadas, onde dependendo do objeto utilizado é considerado spanking leve, moderado ou hard. O contexto pode a ser usado pode ser como castigo ou apenas para o prazer de ambos. A intensidade da batida deve ser feita gradativamente.

17. Pony play / Dog play: são categorias de PET PLAY. Prática onde o bottom assume papel de cavalo ou cachorro respectivamente. Sendo tratado como tal.

18. Needle play: Deve-se ter extremo cuidado com esta prática. Deve-se ter muita prática e experiência no assunto. Sendo definitivamente uma prática para profissionais. Este jogo usa-se agulhas, PORÉM NÃO de costura ou acupuntura na pessoa para lhe dar prazer e sim de uso hospitalar, descartáveis onde existem os calibres e os tipos certos para tal prática.

19. Inversão de Papéis: Jogo onde a mulher passa a ter papel de homem e penetra no parceiro que passa a ter papel de mulher. Cabe ressaltar que a inversão de papéis NÃO inclui mulheres com Strap-on (cinto com vibro) que penetram em outras mulheres.

20. Escarificação: é uma técnica de modificação do corpo que consiste em produzir cicatrizes no corpo através de instrumentos cortantes. Diversas culturas utilizam está técnica.

21. Fisting: vem de do inglês, “fist”, que quer dizer pulso. O verbo (uma gíria) pode ser traduzido como a prática de se enfiar a mão toda na vagina ou no ânus da parceira/o “até o pulso”. Basicamente é a exploração manual da vagina e do reto e do “trato digestivo” da parceira/o como uma proposta de busca do prazer entre dois adultos. Fisting ou fistfucking, a manipulação da vagina, útero, canal do ânus, do reto e talvez do cólon, com a mão, o antebraço e talvez mais ainda, pode parecer nada prazeroso ou mesmo bastante desconfortável às iniciantes. Aí, a questão é saber o que se quer mesmo e insistir, ir em frente e tomar os cuidados necessários.

22. Infantilismo: diretamente ligado por muitas pessoas ao Age play o Infantilismo é uma espécie de sensação de bem estar que está ligado ao ato de querer regredir no tempo e voltar a ser criança (bebê) agindo e atuando como tal. Os infantilistas gostam de usar fraldas, de se vestir como bebês, de comer como bebês, de falar como bebês, de brincar como bebês e de usar objetos de bebês como mamadeira e chupeta. Na maioria das vezes os infantilistas praticam esses atos secretamente sem que ninguém fique sabendo. Um praticante de BDSM (BOTTOM) pode ser infantilista onde é tratado como criança pelo TOP.

23. Scat (Coprofilia): consiste na excitação sexual relativa ao contato com fezes do parceiro sexual. Abrange um largo espectro de práticas, que pode inclusive chegar à coprofagia (ingestão de fezes). Geralmente o dominador os fornece ao submisso, onde ele fará o uso de acordo com as vontades do dominador. Deve se ter cuidado ao praticar Scat, pois a transmissão de doenças é evidente. Muito se fala de cuidados a serem tomados, porém o cuidado mais recomendado é a realização de exames. A coprofagia envolve grandes riscos à saúde, como um surto de hepatite A e B, pneumonia, sem mencionar a adição de bactérias, ovos de vermes e outros parasitas no sistema interno.

24. Medical Play: é o role play de uma situação médica onde o submisso assume o papel do paciente e fica vulnerável aos exames intrusivos do dominador. Geralmente são usados muitos equipamentos, como sondas , estimuladores elétricos, enemas, etc.

25. Golden Shower: (chuva dourada ou pissing), este é o ato de urinar em outra pessoa, normalmente por gratificação pessoal, assim como uma maneira de humilhação, o mesmo cuidado com Scat deve ser feito no Golden Shower, para evitar transmissão de doenças, pois se em contado com ferimentos sobre a pele pode causar infecções fora os riscos de DSTs.

26. Urofagia: ato em que os praticantes bebem a urina do parceiro. O mesmo cuidado com Scat deve ser feito no Golden Shower, para evitar transmissão de doenças.

27. Consensual Rape o mesmo que rape play: Prática onde se SIMULA, (ou seja, é consensual) um estupro, onde a bottom é a “vitima” e o top quem comete o ato.

28. Travestimento / Feminização / Crossdressing: crossdressing e feminização são coisas diferentes pelo simples fato de no bdsm bottoms que gostem da pratica de feminização por conta da humilhação e não das roupas, acessórios e maquiagem em si não são crossdresser. A palavra crossdresser significa vestir-se ao contrário e poderia ser facilmente traduzida como travestir-se, uma vez que o significado é exatamente o mesmo.

29. Içamento: é o mesmo que suspensão com ganchos, existe o material adequado a ser utilizado e a pratica necessita de muito conhecimento.

30. Humilhação: é o uso consensual de humilhação psicológica em um contexto sexual, onde uma pessoa se excita ou tira excitação erótica da mistura de fortes emoções em ser humilhado e diminuído ou em humilhar os outros. A humilhação não necessita ser sexual em si, como muitas das outras atividade sexuais, seus sentimentos são derivados de quais são tiradas, independentemente da natureza da atividade real. Pode ser ato onde se subjuga o dominado através de diminuição verbal, insultos e abusos verbais, referências degradantes, gestos que o atinjam, também aspectos físicos através de ordens, etc.

31. Eletroestimulação: Ato onde se usa pequenas descargas elétricas no Bottom, A varinha violeta é a mais segura, pois só cria sensação de choque porque existe uma lacuna entre o eletrodo e o corpo (o contato cria uma sensação ligeiramente quente). É uma prática que requer conhecimento e cuidados, Os perigos com o uso de eletroestimulação ao orgasmo são queimaduras de pele, vermelhidão e até mesmo a morte. Este dispositivo pode ser utilizado em qualquer lugar no corpo exceto perto do coração e olhos.

32. Tickling: Tortura por meio de cócegas.

Fonte: https://estilobdsm.wordpress.com/praticas-bdsm/

2 comentários: